Blog

De passeio de Maria Fumaça a café colonial, descubra o que fazer em Gramado nesse roteiro de 3 dias
De passeio de Maria Fumaça a café colonial, descubra o que fazer em Gramado nesse roteiro de 3 dias

A cidade de Gramado é um dos destinos domésticos mais procurados por todo o seu charme e variedade de passeios. Seja para uma viagem romântica ou em família, para aproveitar ao máximo o que a serra gaúcha oferece é preciso planejar!

 



Uma escapa de 3 dias para curtir Gramado e Canela pode não ser muito, mas já vai render boas memórias em lugares incríveis, como o Parque do Caracol (em Canela) e um delicioso passeio de Maria Fumaça pela serra. 
Ah, também precisamos avisar que: muita comida à frente! Esteja preparado, anote as dicas e boa viagem!

O que fazer em Gramado em três dias 

Dia 1
Dia - City Tour

Noite - Noite Gaúcha

 O City Tour é uma excelente forma de otimizar tempo, já que leva você a vários atrativos turísticos em transporte único -  o que é perfeito para uma viagem curta! A outra vantagem desse formato de passeio é a comodidade, já que nos buscam no hotel - e trazem de volta, depois de um dia inteiro de tour.




Primeiramente, somos levados a alguns pontos turísticos de Gramado, como o Lago Negro, o Mini Mundo e a Fábrica de Chocolates Planalto. Em seguida, vamos até a cidade vizinha, Canela. Ali, vamos até os bondinhos aéreos da Cascata do Caracol, ao Parque Mundo Gelado e um passeio panorâmico pelo centro da cidade até a Catedral de Pedra.



Muita coisa boa e um único dia, não é? Mas não acabou ainda, não: a noite, o que não vão faltar são opções de restaurantes! Tem para todos os gostos e os mais variados possíveis. Mas, para experimentar a tradicional gastronomia do Rio Grande do Sul, que tal a Noite Gaúcha, na Churrascaria Garfo e Bombacha? Esse jantar temático mostra a cultura local por meio da gastronomia, música e danças.



No cardápio, não podia faltar chimarrão e o tradicional Costelão 12 horas. O restaurante também dispõe de pratos quentes, saladas, sobremesas e peças nobres no churrasco.



O show da noite é embalado pelos peões e prendas apresentando os ritmos típicos como a chula e o vanerão. O ponto alto do espetáculo é quando entram as boleadeiras, equipamento usado pelos gaúchos para capturar animais. Essa ferramenta consiste em cordas com bolas de metal nas pontas, que viram objeto de malabarismo nas mãos dos dançarinos. 

Precisa de talento, né?

Dia 2
Dia todo - Maria Fumaça (Vale dos Vinhedos + Almoço)

O Rio Grande do Sul também é conhecido por sua produção de bebidas, como cervejas e vinhos. Por isso, vale muito a pena dedicar um dia para conhecer essa arte local. E, para isso, embarcamos no Trem Maria Fumaça em direção às cidades vizinhas uma jornada pela história da colonização italiana na região. 



Nesse trajeto (chamado de Tour da Uva e Vinho) de 1h30, conhecemos o Vale dos Vinhedos (Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa). E, nessa viagem no tempo, o trajeto é animado por apresentações artísticas de músicas e danças típicas gaúchas e italianas. 



Somos levados até a Vinícola Michele Carraro, criada em 1875 em Bento Gonçalves. Também vamos até o Show Room da Tramontina, à malharia GDOM Malhas e ao Teatro Epopeia Italiana, um parque temático que retrata a época da colonização italiana de forma animada e acolhedora.



Caso não queira ir até a vinícola, uma opção de almoço é o Ristorante e Armazem Nono Madiero. 

Esse é um passeio de dia inteiro, então, melhor deixar a noite livre!

Dia 3
Dia todo - Tour Cânion do Itaimbezinho

Para encerrar a viagem, vamos para um dos cartões postais da serra gaúcha: o cânion do Itaimbezinho, localizado no Parque dos Aparados da Serra, em Cambará do Sul (cerca de 110 quilômetros de Gramado). Para aproveitar bem o dia, saia cedo


A formação rochosa chega a 720m de profundidade e quase seis quilômetros de extensão. A largura varia de 200 a 600 metros. Medidas bem impressionantes, não é? 

Ao chegar no Parque, depois de 1h40, aproximadamente, temos algumas opções de trilhas! Os caminhos são leves e podem ser feitos até por crianças. Use roupas leves, bonés, passe protetor solar e repelente! O pacote básico para qualquer trilha.

A primeira delas é a Cotovelo, com cerca de 6 quilômetros (ida e volta) até um mirante que nos dá uma visão privilegiada do Itaimbezinho. Por ser mais longa, o indicado é fazer esse percurso mais cedo, em função do sol. 

A segunda trilha é a Vértice, que inicia no centro de visitantes do Parque, com menos de uma hora de caminhada. Nesse trecho, passaremos pela Cascata das Andorinhas, de mais de 300 metros de altura! Também veremos a Véu de Noiva, que é ainda maior, com 500 metros de altura. A última parada para apreciar a paisagem nos dará uma vista incrível de uma parte do cânion. 


Dica importante: a estrutura do parque é completa, mas simples. Ao chegar a base, garanta a ida ao banheiro porque não há paradas nas trilhas. Também leve água e, se quiser, alguns lencinhos para beliscar durante o dia - espaço não falta para sentar e fazer um piquenique, quem sabe! Mas não esqueça de levar uma sacolinha para jogar seu lixo! Leve memórias e deixe apenas suas pegadas, certo? 

Há, ainda, uma terceira opção de trilha, mais longa e que exige o acompanhamento de um guia profissional. Enquanto a Cotovelo e Vértice estão localizadas na parte alta do cânion, a trilha Rio do Boi é feita na parte baixa, entre os paredões de pedra. São cerca de 14 quilômetros de caminhada e vão tomar o seu dia. Então, escolha entre as duas de cima ou o caminho de baixo.

Claro que, pelo caminho, toda a caminhada é recompensada com aventura! Nela, atravessamos o rio (que pode passar da altura do joelho, dependendo do volume de água - inclusive, em dias de cheia, o passeio pode ser cancelado) e boa parte do trajeto é feito por cima de pedras. 

Também podemos fazer algumas paradas para banho em piscinas e tobogãs naturais, além de cachoeiras! É um contato incrível com a natureza! 

Depois de um dia de aventura e muita emoção, o jantar de despedida pode ser a Noite Cultural Italiana, em Gramado, que traz tradições culturais e comidas típicas dos imigrantes italianos, como polenta, seis tipos de massas, risoto de cordeiro, brusquetas ao pomodoro e ossobuco à moda Milão - receita com mais de 150 anos. Para acompanhar, uma carta de vinhos especiais para harmonizar com tudo.


A noite Cultural Italiana é embalada por música ao vivo e uma apresentação teatral, que retrata algumas situações cotidianas de uma família recém chegada ao Brasil tentando se adaptar às modernidades da cidade, trazendo mais um ingrediente para a nossa noite: o bom-humor!

Feito isso, é hora de dizer “Ciao”!